• Bruno Cardoso

Contratações, patrocínio, e visibilidade, o futebol feminino ganhando espaço!

Times se movimentam em busca de contratações e patrocinadores começam a surgir



Crédito: Flavio Florido/Exemplus/COB

Após o regulamento da CBF e da Conmebol determinando que todos os times que disputam a série A do brasileirão, Taça Libertadores, e Copa Sul-Americana são obrigados a ter uma equipe de futebol feminino, muitas portas se abriram para as garotas que sonham em ter uma carreira dentro do esporte.


A medida adotada pelas duas federações já apresenta resultados, a Rede Globo irá transmitir pela primeira vez em sua história a Copa do Mundo de Futebol Feminino, entre os dias 7 de junho e 7 de julho.


Com a obrigatoriedade da inclusão, os times buscam se planejar para dar início as atividades esse ano, dos que não tinham elenco feminino, o grande destaque até agora é do São Paulo, que investiu pesado na contratação da atacante da seleção brasileira Cristiane, para a disputa do Campeonato Brasileiro de futebol Feminino A2. Mas outros times também correm por fora, como é o caso do Grêmio de Porto Alegre, que anunciou na última segunda, 28, a contratação de mais duas atletas para o elenco, as goleiras Thais e Keikei chegam para reforçar a equipe comandada pela técnica Patrícia Gusmão.


A mais experiente da dupla é a Thais Helena da Silva, com 31 anos, a arqueira já foi campeã da Taça Libertadores da América pelo São José dos Campos, além de já ter vestido a camisa da seleção brasileira, do Corinthians, Palmeiras, Vasco, e times de Israel e França.


Estou muito feliz e animada com essa oportunidade em uma equipe maravilhosa como a do Grêmio. Estou pronta para dar o meu melhor e com isso ajudar a equipe a alcançar todos os objetivos ao longo da temporada”, comentou Thais, em entrevista ao site oficial do Grêmio.


Outro grande avanço do futebol feminino vem também no quesito de já começar a chamar atenção dos patrocinadores, como é o caso no time do Tricolor Paulista. O Banco Inter, atual patrocinador máster da equipe, atualmente engloba o profissional masculino e as categorias de base, mas vem buscando expandir essa parceria para o futebol feminino.


Embora os números ainda sejam muito distantes do que é no futebol masculino, é nítido que aos poucos esse cenário vai mudando, conquistando novos adeptos, e dando espaço para as mulheres dentro de um cenário esportivo com histórico muito machista.

© 2018 WEB RÁDIO DE PRIMA. DESENVOLVIDO POR MVPMOVE

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White Twitter Icon
  • White YouTube Icon
  • Branca Ícone SoundCloud