• Bruno Cassiano

CORINTHIANS E GRÊMIO FICAM NO ZERO


FOTO: Max Peixoto/DiaEsportivo/Agência O Globo
FOTO: Max Peixoto/DiaEsportivo/Agência O Globo

Em jogo válido pela vigésima terceira rodada do Campeonato Brasileiro, Grêmio e Corinthians empatam sem gols em Porto Alegre. Foi o primeiro empate do Timão no returno do Brasileirão, até então o time comandado por Fábio Carille somava três vitórias em três jogos.


O JOGO


O Corinthians foi assim escalado: Cássio; Fagner, Gil, Manoel e Danilo Avelar; Ralf, Sornoza, Matheus Vital, Pedrinho e Clayson; Vagner Love. Em tese um time mais leve e solto, uma surpresa já que Carille costuma ser mais conservador, principalmente em partidas fora de casa.


Nos dez minutos iniciais a estratégia alvinegra deu certo e o que se viu em campo foi um Corinthians que parecia propor mais o jogo, com uma postura mais ofensiva. Pedrinho e Matheus Vital tomavam a iniciativa e arriscavam, mas essa pressão inicial não foi eficaz ao ponto de resultar em gols.


A partir dos quinze minutos, o Grêmio equilibrou o jogo e logo após tomou o controle rapidamente. O Corinthians então se retraiu e abdicou da posse da bola e se propôs a jogar apenas no contra-ataque. Clayson pela ponta e Love de pivô, eram os que mais erravam nos domínios e nas tentativas de troca de passe no ataque.


A defesa se manteve firme e foi o ponto mais forte da equipe corinthiana no jogo inteiro. Somados a dupla Gil e Manoel, Fágner teve um jogo bom, depois de alguns abaixo, e Avelar passou segurança em seu lado. Pelas laterais o Grêmio não conseguiu evoluir, por cima a zaga conseguiu cortar. Nas vezes nas quais conseguiu algo, Cássio interveio sem maiores sustos no primeiro tempo.


O segundo tempo se iniciou sem mudanças das equipes, nem nos onze que atuavam e nem nas posturas apresentadas. O Corinthians seguia atrás e errando quando tentava progredir pelos mesmos pés que mais errou na primeira etapa. Carille esperou por quinze minutos até sentir a necessidade de alterar um jogador e o esquema.


Boselli foi o primeiro a entrar, no lugar de Clayson que havia desperdiçado uma cobrança de falta. O argentino fez par com Vagner Love no ataque e assim o Corinthians teve uma melhora ofensiva, criou duas chances de gol nas quais o goleiro adversário precisou trabalhar. Foram as primeiras finalizações certas do time paulista no jogo.


Carille então lançou Jadson no jogo, no lugar de Love, e o Corinthians novamente foi controlado e esteve longe de um equilíbrio contra o Grêmio. Jadson não acrescentou em nada, o trio com Sornoza e Vital não funcionou. Faz tempo que o camisa 10 alvinegro não consegue desenvolver um futebol que justifique o porquê de ser opção para tentar reverter situações em campo.


A última substituição foi a saída de Matheus Vital para a entrada de Janderson, que teve pouco tempo para mostrar serviço. Vital, um dos melhores do jogo, foi a opção de Carille, mesmo Sornoza sendo o segundo pior do time em Porto Alegre, só perdendo para Clayson. O resultado dos erros nas mexidas, foi ver o adversário dar mais trabalho para Cássio e para a zaga alvinegra que se seguraram até o fim.


O placar final foi bom para o Corinthians, pelas circunstâncias e pelo campeonato, mas o desempenho da equipe e de Carille esteve aquém do esperado, ou do que pode ser desenvolvido, novamente. É necessário mudar.