• Bruno Nunes

DE OLHO NOS JOGOS OLÍMPICOS


Não foi dessa vez que o Brasil levou a Copa do Mundo de Futebol Feminino pela primeira vez, e seria difícil mesmo.

Formiga, camisa 8 da seleção nos jogos de 2016 no Rio. ( Foto: Reprodução.)
Formiga, camisa 8 da seleção nos jogos de 2016 no Rio. ( Foto: Reprodução.)

Apesar do bom jogo contra a França, uma das melhores seleções no momento, o futebol feminino do Brasil ainda está um passo atrás em relação as principais equipes do mundo, mesmo o Brasil sendo um dos pioneiros da modalidade tendo participado de todas as edições de Copa do Mundo já realizadas. Porém, o momento é de renovação, jogadoras veteranas como Marta, Cristiane e Formiga, pilares do time brasileiro estão chegando ao final de suas carreiras, deixando um enorme vazio na equipe do técnico Vadão, vazio este que precisa ser preenchido com jogadoras de qualidade, para que o Brasil consiga manter sua competitividade perante os outros times.


A última grande competição dessa geração que está deixando o time brasileira será os Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020. O Brasil já está classificado por ter vencido a Copa América de 2018 e busca pela primeira vez subir no lugar mais alto do pódio. A competição será uma espécie de divisor de águas do futebol feminino do Brasil, que a partir dela, irá iniciar um novo ciclo com jovens jogadoras e a promessa de mais investimentos na modalidade.


A conquista da medalha de ouro além de consagrar a geração de Marta e companhia, poderia pavimentar o caminho da seleção brasileira rumo a renovação, mas para isso será preciso muito trabalho nesse pouco tempo que resta até o início dos jogos no dia 22 de julho do próximo ano.


Durante a Copa, ficou evidente a deficiência da seleção brasileira na bola aérea, talvez o principal aspecto que deva ser corrigido para a disputa das Olimpíadas. O condicionamento físico das atletas também deve ser aprimorado como bem ressaltou a capitã Marta ao ser perguntada sobre o momento especial que o futebol feminino vive.


Quando digo isso é querer mais, treinar mais, estar pronta para jogar 90 e mais 30 minutos e mais quantos minutos forem necessários.

Marta se emociona ao final da partida contra a França. ( Foto: Reprodução)
Marta se emociona ao final da partida contra a França. ( Foto: Reprodução)


O recado foi dado principalmente devido ao cansaço demonstrado por algumas jogadoras durante a prorrogação do jogo contra a França. A fala de Marta só realça a necessidade de aprimorar o condicionamento físico da seleção, isso passa também pelo cuidado individual de cada atleta para que a equipe chegue em uma melhor condição física nos Jogos Olímpicos.


Muita coisa deve mudar após a eliminação na Copa do Mundo, a CBF ainda não confirmou a continuidade de Vadão como técnico da seleção, porém o próprio treinador já falou no que pretende fazer visando os Jogos Olímpicos. Vadão afirma que pretende contar com Marta, Formiga e Cristiane, junto com jogadoras novas na seleção como Kathllen, Andressinha e Geysi. Será essa mescla de juventude e experiência que irá disputar o ouro na terra do sol nascente.