• filipeq09

FINAL INGLESA E TAMBÉM BRASILEIRA


Foto: Divulgação / Site oficial da UCL

Após a incrível atuação do Liverpool diante do Barcelona por uma das semifinais da UEFA Champions League, fazendo inacreditáveis quatro gols no time de Messi, Suarez e cia, conquistando a vaga na grande final europeia, tudo era provável de ocorrer na Holanda no dia seguinte.


Jogando em casa, o Ajax vinha de uma vantagem mínima, 1 a 0, facilmente de ser revertida. As possibilidades do Tottenham eram grandes, mas logo aos cinco minutos da primeira etapa, o zagueiro De Ligt tratou de esfriar as pretensões do time londrino. Para piorar, mais uma ducha foi jogada nos ingleses, aos 35', com o meia Ziyech. Pelo que se viu no primeiro tempo, o Ajax estava na final, mesmo o adversário tendo jogado bem e com oportunidades claras de gol.


Mas aí entrou em campo a magia do futebol, esporte incomparável a qualquer outro por sua imprevisibilidade e, por vezes, injustiça. Nesse caso só o imprevisível aconteceu, pois o Tottenham mereceu todos os feitos que conseguiu na partida, sobretudo um brasileiro que provou que vive uma grande fase na Europa e que tem estrela em jogos grandes.


Campeão da Sul-Americana pelo São Paulo em 2012, Lucas Moura foi transferido à Europa como uma promessa e não se deu bem nas primeiras temporadas de Paris Saint Germain. Porém, desde sua chegada ao clube de Londres, em 2018, o meia atacante vem melhorando seu desempenho, sendo protagonista de boas atuações com a camisa dos Spurs. Na última noite de Champions, logo na decisiva semifinal, Lucas precisava mostrar de vez seu valor e cravar seu nome na história dos grandes jogadores brasileiros na Europa.


Ele não decepcionou e logo aos 55 minutos marcou o primeiro gol da equipe, que diminuía o prejuízo no placar agregado. Quatro minutos depois, a mesma cena se repetiu, Lucas e os demais atletas do Tottenham estavam comemorando novamente, desta vez o empate e a chance de, com mais um golzinho, avançar à finalíssima da Champions. O Ajax sentiu o golpe, já não era o mesmo do primeiro jogo e nem primeiro tempo da partida de volta. Os ingleses aproveitaram ao máximo a tensão holandesa e foi pra cima em busca do gol salvador.


Se fosse escrita em um roteiro talvez não seria tão perfeita. Realmente a história do confronto que definiu o adversário do Liverpool foi recheada de emoção do início ao fim - fim este levado ao pé da letra. Nos últimos segundos do tempo inicial dado de acréscimo pelo árbitro da partida, Lucas apareceu de novo, de maneira surpreendente e com um chute rápido, de primeira - de canhota -, balançou as redes da Amsterdam Arena pela última vez (para os Spurs, foi mais do que suficiente). Final, 3 a 3 no placar agregado e vaga garantida ao Tottenham pelo critério de gol marcado fora de casa (três tentos na arena do Ajax contra apenas um dos holandeses na inglaterra).


Lucas Moura, o brasileiro Lucas, será lembrado por muito tempo e as próximas gerações de jogadores brasileiros, como o também jovem David Neres (22 anos), do Ajax, terão referência e inspiração em suas futuras atuações.