• Bruno Cassiano

GIGANTE


FOTO: Paulo Whitaker/Reuters

Passava das 14 horas do dia 14 de maio deste ano, o técnico Tite anunciava a lista dos 23 convocados que um mês mais tarde começariam a luta pelo hexacampeonato da Copa do Mundo. O primeiro da lista, Alisson, goleiro destaque da Roma, tendo feito uma temporada incrível. O segundo da lista, Cássio, atual bi-campeão paulista e campeão brasileiro, para alegria de uns e ódio de outros. Merecimento ou um suposto 'corintianismo' do professor Tite?


Dúvidas vieram a partir da lista e as maiores delas vinham acompanhadas com os nomes de jogadores ou ex-jogadores do Corinthians. Dentre eles, Cássio. Vanderlei era aclamado pela mídia, merecia oportunidade por suas atuações e inúmeras defesas importantes com a camisa do Santos. Jailson, com menos força, se destacava, alguns acham que também merecia. Assim como outros nomes, como Marcelo Grohe, Fábio e, até mesmo, Diego Alves.


A escolha de Cássio era a mais contestada entre os arqueiros, mas era uma das mais coerentes também. É o goleiro há mais tempo debaixo das traves de um time grande paulista, é o mais regular e vitorioso dentre eles também. Nestes seis anos protegendo a meta do Corinthians, foram oito títulos conquistados. Ele é um dos que mais foi campeão na história do alvinegro paulista.


Ontem (18), contra o Botafogo, na volta do Campeonato Brasileiro, Cássio mostrou mais uma vez o porquê tem de ser respeitado e considerado um dos melhores em atividade no Brasil. Seu time venceu o jogo pelo placar de 2x0, mesmo assim ele, goleiro, foi eleito o melhor da partida. Isso por que, enquanto o Corinthians ainda vencia por 1x0, ele foi o culpado direto do Botafogo não ter empatado o jogo com defesas completamente inacreditáveis. Foi uma atuação que beirou a perfeição, mesmo estando há mais de um mês sem jogar uma partida oficial.


Foram vinte e quatro chutes botafoguenses, a maioria sem direção, mas aqueles que iam no gol ofereciam risco, mas encontravam Cássio pelo caminho para evitar o tento carioca. No lance mais impressionante dos adversários no jogo, o goleiro do Corinthians conseguiu tirar uma cabeçada de Kieza praticamente na linha do gol, no rebote outra defesa inacreditável utilizando apenas um dos pés quando a bola já parecia perdida.


As opiniões hoje, após o jogo de ontem, são bem diferentes daquelas na época na qual a convocação do técnico Tite foi divulgada. Há muitos torcedores e jornalistas, que propõem a reflexão de como seria a história do Brasil na Copa do Mundo deste ano, se Cássio tivesse sido o goleiro titular e não Alisson. A meu ver, Cássio poderia até ter sido melhor, mas futebol é momento e o momento de Alisson na Europa era surreal. As coisas foram como tinham de ser, com ele titular no gol, não é justo jogar a culpa apenas nele ou imaginar novos cenários. Já foi.


Não sabemos como estará Cássio na Copa de 2022, pode ser que seja muito tempo para manter essa regularidade, mas a verdade é que hoje se perguntassem ao técnico Tite sobre quem deveria ser o trio de goleiros, é certeza que Cássio continuaria entre esses três, principalmente após a atuação de ontem.


O ‘paredão alvinegro’, como é chamado pelos torcedores do Corinthians, continua dia após dia, rodada após rodada mostrando que seu merecimento não deve ser questionado. Ao menos nisso, o técnico Tite não errou.