• Leonardo Cruz

O MAIOR DE TODOS OS TEMPOS


Foto: UFC Divulgação

O UFC 235 realizado no último sábado, (02/03) em Las Vegas proporcionou 12 grandes lutas ao público presente na T-Mobile Arena e ainda colocou em jogo duas disputas de cinturão. Pelo peso meio-médio, o campeão Tyron Woodley fez sua quinta defesa de cinturão contra o nigeriano Kamaru Usman que está invicto na maior competição de MMA do mundo e no evento principal e mais aguardado da noite, o polêmico campeão Jon Jones desafiou o estadunidense Anthony Smith que vinha de 3 vitórias consecutivas.


Nas sete lutas válidas pelo card preliminar, tivemos quatro combates definidos por knockout. Em luta válida pela categoria peso-galo, a estadunidense Macy Chiasson venceu Gina Mazany ainda no primeiro round com uma boa sequência de golpes em que não deu chances a sua adversária. Esta foi a quarta vitória na carreira de Chiasson e a segunda derrota consecutiva de Mazany no UFC.


Com um knockout espetacular, o “Golden Boy”, como é conhecido Edmen Shahbazyan precisou de 38 segundos de luta para derrotar Charles Byrd com uma sequência de cotoveladas no momento em que Byrd tentava levar o combate para o chão. O jovem promissor está invicto em sua carreira profissional, agora com 9 vitórias em seu cartel.


No terceiro knockout da noite, Diego Sanchez aproveitou o cansaço do estadunidense Mickey Gall para vencer no segundo round em luta válida pela divisão dos meio-médios. Nos primeiros cinco minutos, o combate foi equilibrado, com os dois oponentes tendo bons momentos. No round seguinte, Sanchez foi decidido a vencer acertando duros golpes no adversário, após uma forte joelhada, passou a ter o controle total da luta, conseguindo a montada e golpeando Gall até a disputa ser interrompida pelo juiz. Diego Sanchez que vem de momentos de grande instabilidade no UFC conquistou sua segunda vitória consecutiva e agora quer manter uma boa sequência para no futuro próximo disputar o cinturão de sua categoria.



Foto: UFC Divulgação


O último knockout do card preliminar foi do brasileiro Johnny Walker que precisou de apenas 36 segundo para atropelar Misha Cirkunov com uma joelhada voadora espetacular e garantir mais uma grande vitória na carreira. Esta foi a nona vitória de Walker no MMA e a segunda seguida no UFC em que o brasileiro simplesmente não toma conhecimento do adversário e vence com extrema facilidade. O estilo agressivo do lutador carioca impressiona não só outros lutadores, mas também Dana White, que vê grande futuro para Walker no UFC.


Nas disputas do card principal, duas lutas foram decididas logo no primeiro round. Pedro Munhoz conseguiu um knockout sobre Cody Garbrandt com um duro cruzado que levou o ex-campeão da divisão peso-galo ao chão. Esta luta ficou marcada pela intensa disputa entre os lutadores, trocação franca desde os primeiros segundos, surpreendendo a todos, pois Munhoz é muito conhecido pelo seu ótimo jiu-jitsu. Esta foi a terceira vitória consecutiva do brasileiro na organização e a décima oitava na carreira profissional.


Na outra disputa decidida ainda no round inicial, Ben Askren fez sua estreia no UFC em grande estilo, derrotou o ex-campeão da categoria meio-médio Robbie Lawler com uma “gravata” que o deixou aparentemente desacordado. Após a interrupção do juiz Herb Dean, Lawler se levantou e ameaçou questionar a decisão, mas logo se conformou com a derrota.



Foto: UFC Divulgação

O co-evento principal da noite foi surpreendente, o nigeriano Kamaru Usman fez história não só ao derrotar de forma incontestável Tyron Woodley por decisão unânime, mas por ser o primeiro africano a conquistar o cinturão do UFC. Durante os cinco rounds, Usman demonstrou superioridade, não permitiu que Woodley aplicasse seu forte jogo e ainda castigou durante todo o combate o estadunidense que agora tem 4 derrotas em sua carreira. Agora, como legítimo campeão da categoria meio-médio, Kamaru Usman aguarda a definição da organização para saber se dará a revanche ao ex-campeão ou se irá fazer sua primeira defesa de cinturão contra outro oponente.



Foto: UFC Divulgação

Em vários esportes existe a discussão sobre quem é o maior de todos os tempos, e no MMA não é diferente, neste UFC 235, tivemos a oportunidade de ver mais uma vez Jon Jones escrever sua história com uma vitória por decisão unânime sobre Anthony Smith. Mesmo sem o brilho de outros triunfos, “Bones” não deu chances ao seu adversário, dominou a luta durante os cinco rounds e mostrou que mesmo com todas as polêmicas que envolvem seu nome, não perdeu sua essência.


Esta foi a segunda luta de Jones em menos de três meses, a expectativa é que faça pelo menos mais uma ainda neste ano, e o provável adversário será o brasileiro Thiago Marreta que vive grande momento no UFC e derrotou Jan Blachowicz no UFC Praga realizado em fevereiro.


Com esta vitória, Jones conseguiu sua 12ª defesa de cinturão, ficando a uma vitória de igualar Georges St-Pierre. Além disso, o campeão que tem apenas 1 derrota em sua carreira profissional (foi desclassificado por dar um golpe ilegal) pode se orgulhar de ter vencido os principais e mais temidos lutadores da categoria meio-pesado do UFC. Jon Jones para muitos já é sim o maior lutador de MMA da história, e com apenas 31 anos, com certeza ainda terá muito anos de carreira para conquistar todos os recordes possíveis e aumentar cada vez mais seu número de vítimas dentro do octógono.


Outros resultados do UFC 235:


Card Principal:

Weili Zhang venceu Tecia Torres por decisão unânime;


Card preliminar:

Zabit Magomedsharipov venceu Jeremy Stephens por decisão unânime;

Cody Stamann venceu Alejandro Perez por decisão unânime;

Hannah Cifers venceu Polyana Viana por decisão dividida.

© 2018 WEB RÁDIO DE PRIMA. DESENVOLVIDO POR MVPMOVE

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White Twitter Icon
  • White YouTube Icon
  • Branca Ícone SoundCloud