• Leonardo Cruz

OS AZARÕES SUL-AMERICANOS


Foto: Conmebol Divulgação

O dia era 24 de janeiro deste ano, passávamos das 21h na cidade de Brasília, quando os adversários do Brasil na Copa América foram conhecidos. Agora não tem mais volta, Peru, Bolívia e Venezuela, três das seleções mais fracas do continente não tiveram muita sorte e obrigatoriamente terão que encarar a temida seleção brasileira logo na fase de grupos.


Com certeza estas nações preferiam estar em uma chave mais tranquila, pois mesmo com o Brasil vivendo momentos de instabilidade, aquela camisa amarela ainda assusta muitas equipes ao redor do mundo e ainda mais se tratando de uma competição sendo disputada em terras tupiniquins.


A Bolívia que fará a estreia contra o Brasil, é quem tem a situação mais difícil, penúltima colocada nas eliminatórias para a Copa da Rússia, possui sérias limitações técnicas em seu elenco. O grande aliado desta seleção é quando joga em La Paz, pois os mais de 3600 metros de altitude se tornou o grande vilão das outras equipes sul-americanas ao longo das últimas décadas.



Foto: Getty Image

O melhor momento da seleção boliviana em toda dua história sem dúvidas foi nos anos 90, quando lideradas pelo craque Etcheverry conseguiu se qualificar para o Mundial dos Estados Unidos em 1994. Após este período glorioso, a Bolívia teve grandes dificuldades para renovar sua seleção, e como conseqüência, vem amargando péssimas campanhas nas competições continentais.


Atualmente, a esperança de bom futebol se limita ao experiente Marcelo Moreno, atacante conhecido no futebol brasileiro por passagens pelo Cruzeiro, Flamengo e Grêmio. Mesmo não tendo grande qualidade técnica, Moreno lidera uma seleção que quer evitar repetir o vexame da Copa América Centenário em que perdeu todos os jogos realizados.


A Venezuela do técnico Rafael Dudamel vive momento oposto, tida desde sempre como o “saco de pancadas” da América do Sul, vem evoluindo seu futebol nas últimas décadas. E isso se deve a abertura dos mercados internacionais aos jogadores venezuelanos que estão a cada dia tendo mais destaque e com isso, conseguindo participar das principais ligas de futebol pelo mundo.


Um fator importante que mostra a evolução do futebol na Venezuela é que suas categorias de base estão conquistando resultados expressivos nos últimos anos. Na edição do Torneio Sul-Americano sub-20 realizado no Chile em janeiro, mesmo não se classificando para o Mundial, “La Vinotinto” liderou o grupo que tinha Brasil, Chile e Colômbia na primeira fase.


Salomón Rondón, jogador do Newcastle e que esta há mais de dez anos atuando na Europa, é o maior destaque e esperança de gols desta seleção que renovada, busca superar o feito conquistado há três anos, quando avançou às quartas de finais da Copa América Centenário, sendo eliminada pela Argentina.



Foto: Getty Image

Por fim, o Peru de Paolo Guerrero vive ótima fase, apesar de alguns resultados ruins nas últimas partidas, com derrotas para Colômbia e El Salvador, vem conquistando bons feitos nas competições sul-americanas, desde o terceiro lugar nas Copas Américas de 2011 e 2015 a quinta colocação na edição de 2016, sem falar da fantástica classificação para a Copa do Mundo da Rússia, algo que não ocorria desde o Mundial da Espanha em 1982.


Liderados pelo técnico Ricardo Gareca que está na seleção desde 2015, os peruanos estão otimistas e querem ratificar o bom momento fazendo história em solo brasileiro. Alguns dos jogadores mais importantes do Peru como Guerrero, Trauco e Cueva estão totalmente adaptados ao Brasil, e querem finalmente acabar com o trauma da semifinal e levar o Peru ao topo do continente.


Se tratando de futebol, nunca podemos falar que algo é impossível, mesmo tendo que encarar o Brasil logo na primeira fase. Desta forma, Bolívia, Venezuela e Peru querem com muito trabalho, alcançar seus objetivos em terras brasileiras e quem sabe, encontrar o Brasil novamente no Maracanã na grande decisão.