• robson teixeira

Relembre a heroica classificação do San Lorenzo na Libertadores de 2008


Foto: Reprodução/YouTube



O texto de hoje é sobre uma das eliminações mais constrangedoras da história do River Plate: o duelo contra o argentino San Lorenzo, válido pelas oitavas de final da Copa Libertadores. O jogo, que ficou conhecido com Batalha de Nuñez, aconteceu no dia 8 de maio de 2008 no estádio Monumental, em Buenos Aires, e o público era de 57 mil pessoas.


O time do River era treinado por Diego Simeone e tinha nomes como Alexis Sánchez, Falcão García e “Loco” Abreu. Do outro lado, o San Lorenzo tinha Orión, D’Alessandro, Silveira e Bergessio. O treinador era Ramón Díaz.


Na primeira fase, o San Lorenzo foi o vice-líder do grupo 1, que tinha o Cruzeiro-BRA, o Caracas-VEN e o Real Potosí-BOL. O time azul-grená venceu três jogos, perdeu dois e empatou um. Foram oito gols marcados e sete sofridos. O River, por sua vez, liderou o grupo 5 com quatro vitórias e duas derrotas. Foram quatorze gols marcados e oito sofridos.


No primeiro jogo, o San Lorenzo venceu em casa por 2 a 1 e levou a vantagem do empate para a partida de volta. O River precisava vencer por um gol de diferença para passar de fase.


No dia do jogo decisivo, a torcida do River lotou o Monumental e fez muita festa para apoiar a sua equipe. O time da casa abriu o placar logo aos 11 minutos. Em cobrança de falta, o meia Abelairas jogou a bola na área, Falcão García atrapalhou a saída do goleiro Orión e a bola foi direto para o gol: 1 a 0. O Monumental de Nuñez explodiu em festa.


Apesar do apoio da torcida, o River não conseguia atacar e o jogo começou a ficar ríspido devido à troca de ofensas entre os jogadores e muitas faltas duras. Aos 41 minutos, o volante Rivero, do San Lorenzo, foi expulso e a situação ficou ainda pior para o time azul-grená.


No intervalo, o treinador Simeone mandou os jogadores do River partirem para o ataque. Aos 16 da segunda etapa, o zagueiro Bottinelli, do San Lorenzo acertou uma cotovelada em Falcão García dentro da área após tomar um chapéu; o juiz apitou o pênalti e expulsou Bottinelli. “Loco” Abreu foi para a cobrança e ampliou a vantagem: 2 a 0 para o River. Com dois jogadores a menos, o San Lorenzo precisava fazer dois gols para se classificar.


O San Lorenzo foi valente e partiu para o tudo ou nada. Aos 24 minutos, o time azul-grená trocou passes até a bola passar por D’Alessandro e chegar ao lateral-esquerdo Placente. O defensor rolou para o centroavante Bergessio dominar e finalizar: 2 a 1. O jogo estava empatado no placar agregado.


Quatro minutos depois, o San Lorenzo conseguiu o empate improvável. D’Alessandro cobrou escanteio na primeira trave e Bergessio cabeceou forte no canto oposto do goleiro Carrizo: 2 a 2. Os torcedores do River Plate estavam mudos. Quem fazia a festa era a pequena torcida do San Lorenzo presente no Monumental de Nuñez.


Por causa do gol fora de casa, o River precisava fazer dois gols para se classificar. Mesmo com o chileno Alexis Sánchez entrando no jogo, o River não conseguiu fazer nada e ainda viu o zagueiro Tuzzio ser expulso aos 46 minutos. Era o fim. O San Lorenzo eliminou o River de forma heróica e avançou para as quartas de final da Copa Libertadores de 2008.