• Leonardo Mendes

SANTOS A UM PASSO DE UM VEXAME HISTÓRICO

Caso o peixe perca para o São Bento, na Vila Belmiro, será rebaixado para a segunda divisão do estadual.


Marinho, que sentiu dores na coxa, não deve jogar contra o São Bento - Fotos: Marcos Ribolli


A equipe do Santos vive um dos piores momentos de sua história. Com o risco claro de cair para a serie A2, o peixe precisa de pelo menos um empate contra o São Bento para poder escapar do rebaixamento. A missão é teoricamente fácil, mas os bastidores do clube complicam a situação.


A pandemia mudou muito nosso calendário por conta de paralisações e jogos mais seguidos um dos outros. Com o término do Brasileirão em 25 de Fevereiro e o inicio do estadual no dia 27, as equipes que estavam em outras competições - como por exemplo o Santos, que tinha a pré libertadores já no inicio da temporada de 2021 - optaram por usar equipes mistas para conseguir jogar sem forçar a parte física dos atletas.


Porém um pequeno detalhe atrapalhou os planos de todos, inclusive da Federação Paulista de Futebol. A pandemia no estado entrou em momentos críticos, e por conta da alta em mortalidades e em internações na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) o Governo Estadual decidiu criar uma nova fase de restrições, que como consequência, parou o campeonato paulista por praticamente um mês.


Após ser autorizado a poder voltar a ter jogos, a Federação e os clubes entraram em um acordo. Realizar uma maratona de jogos para que o Paulistão não atrapalhasse, por exemplo, o Brasileirão, mas os jogos de dois em dois dias começaram a pesar. O Santos não tem um elenco para jogar duas competições, por isso, priorizou a Libertadores e colocou o elenco recheado de jogadores da base para atuar no estadual.


Jogando com a equipe mista ou muitas vezes reserva, Ariel Holan utilizou 37 jogadores nas partidas do paulistão, e desses 37, 28 foram formados no CT Rei Pelé. Mesmo mesclando os atletas, o peixe somava antes da paralisação cinco pontos em três jogos disputados. Após a volta da competição, foram mais sete partidas e apenas um triunfo, contra a Inter de Limeira.


O argentino Ariel Holan, que pediu demissão após a derrota sofrida para o Corinthians, deixou a equipe em situação complicada dentro da competição e uma verdadeira bomba relógio na mão de Marcelo Fernandes, que em meio a tantos problemas, mudou a estratégia para buscar uma melhor colocação na competição. O interino jogou quatro partidas, entre Libertadores e Paulistão, com a equipe titular, e conseguiu apenas quatro pontos em doze disputados.


Em meio de tantas crises e vexames, o Santos busca não só se manter na seria A1 do Paulistão, mas não deixar tão feia a situação, já que o Santos tem a pior campanha de sua história no estadual - a marca negativa foi alcançada em 1976, onde não se classificou e terminou em 13ª lugar, hoje, a equipe ocupa a 14ª colocação - mas busca deixar o caminho mais tranquilo para o seu novo treinador, Fernando Diniz, anunciado na última Sexta-feira (07), que já assumira o time na próxima Terça-feira (11), na partida da Libertadores contra o Boca Juniors, Na Vila Belmiro.